Menu de Categorias

Postado por em 28/11 em Geral, Mulher | 0 comentários

MINHA MÃE NÃO DORME ENQUANTO EU NÃO CHEGAR

Equipe Odara e parceiras se reúnem para pensar o atendimento psicossocial das vítimas do Estado

a63bbbfe-a626-44ee-9d15-776dc6622fbe

 

Dialogar sobre uma metodologia de atendimento psicossocial para mulheres vítimas da violência do Estado foi o foco do encontro com psicólogas (os) e assistentes sociais, realizado pelo Odara – Instituto da Mulher Negra, na última quarta-feira (22), em Salvador. O evento contou com a presença da psicóloga e psicanalista do Instituto AMMA Psique e Negritude, Maria Lucia da Silva, da psicóloga social e coordenadora executiva do Centro de Estudos das Relações do Trabalho e Desigualdades (CEERT), Cida Bento, e de cerca de 20 profissionais baianos das áreas.

Construir uma metodologia que responda a emergência e qualificação no serviço de atendimento a mães e familiares que perderam seus filhos vitimas da violência policial é um dos desafios do projeto Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar, desenvolvido pelo Instituto Odara.  O projeto atua há dois anos em comunidades da periferia de Salvador: Cabula, Nordeste de Amaralina, Uruguai e Subúrbio Ferroviário, e tem como principal objetivo promover o constrangimento do Estado brasileiro em relação ao fenômeno do extermínio da juventude negra, a sensibilização da sociedade para cobrar mudanças sistemáticas, pensar e propor políticas de segurança e políticas de drogas e promover ações de cuidado e atendimento as mães.

“A assistência psicológica pode ajudar no acolhimento das mulheres e dos familiares em situação de violência. Pode ajudar a reconhecer a importância da resistência. Ajudar as pessoas entenderem que o racismo agrava toda a situação de vulnerabilidade, que nós, que somos usuários de diferentes políticas públicas, mas somos negros e negras, vamos enfrentar todas as dificuldades colocadas. O racismo exige mais do psicólogo, não apenas no sentido de fazer um acolhimento, mas que venha contribuir para que essas pessoas venham de volta pra vida”, enfatizou Cida Bento (CEERT).

b6a60062-da1d-4fd8-a2db-d74c1b71a4c8

Na ocasião, as profissionais refletiram sobre uma metodologia que esteja apropriada a um acolhimento de mulheres e familiares em situação de luto, a partir de um  perfil racial, social, econômico e psicológico. O grupo também propôs a formalização de diálogos estratégicos com instituições púbicas e privadas, a exemplo, dos Conselhos Estadual e Regional de Psicologia, com Universidades, centros comunitários e clínicas para garantir um ciclo de atendimento eficaz e que leve em consideração o impacto do racismo, das condições sociais e de vulnerabilidades que estão inseridas essas tantas mães, tias, irmãs e avôs de jovens negros assassinados.

“Uma coisa importante para pensarmos é que somos cotidianamente golpeados e golpeadas pelo racismo. Mas o dramático desses golpes que estamos recebendo ao longo das nossas vidas é o genocídio da população negra, particularmente o da juventude negra.  Esse genocídio coloca principalmente as mulheres, que são as donas de casa, em situação de adoecimento, depressão, a crises intensas e a perda da sua qualidade de vida, e na maioria das vezes, é preciso um atendimento no campo da saúde mental porque a saúde mental é algo que nos estrutura. Portanto, estrutura um serviço dessa natureza é vital para a vida das mulheres e das nossas famílias”, Maria Lucia da Silva (AMMA Psique). Ela destaca a importância de construir espaços que reúna estas mulheres para elas conversarem e saber que não estão sozinhas na sua dor. “Para que elas também possam construir a partir das experiências coletivas, estratégias de superação”.

Para as profissionais é necessário pensar na recepção das vítimas a partir de um atendimento forjado pela parceria entre profissional de assistente social e de psicóloga com centralidade na escuta e que fortaleça a resiliência e incentivo à sociabilidade. Para a assistente social Joice Santiago “é de suma importância do trabalho do serviço social e da psicologia para tentar amenizar o déficit deixado pelo Estado. Cabe a mim enquanto profissional da assistência social mapear instituições e locais que façam atendimento para esse público e como podem ser encaminhado. Esse é o nosso papel. Lutar pela justiça, pelo fortalecimento pessoal para que outras mulheres e familiares não passem por isso”.

aa95fef6-2af2-4a52-8630-3fdc67e28874

Segundo dados do Mapa da Violência 2016, da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO), entre 1980 e 2014, os homicídios cresceram 592,8% no Brasil. Já os dados do Relatório Final da CPI do Senado sobre o Assassinato de Jovens (2016), revelam que um jovem negro é assassinado a cada 23 minutos no país, o que representa 63 mortos por dia e 23.100 por ano. Os dados também mostram que a Região Nordeste é uma das mais impactadas pela violência contra jovens.

“A violência do Estado no Brasil é grande, e no Nordeste é imensa. Para as mulheres negras temos um cenário de morte, de violência, de abandono. Se olharmos para as crianças é a mesma coisa, falta de creche e escola adequada. Agora, falando da juventude negra esse é um ponto crucial. Temos uma política de Estado, da classe média alta dominante de absoluta destruição. Então, quando um jovem negro consegue sobreviver a violência racial, do trafico de drogas e do abandono da escola ele é um jovem sem estrutura para sobreviver, ele vai para rua, não tem emprego digno”, Maria Conceição Costa, Ceiça do Pernambuco.

Comments

comments