SEMINÁRIOS DEBATEM ARTICULAÇÃO COMUNITÁRIA E DIREITOS HUMANOS NAS REGIÕES DO CABULA E PENÍNSULA DE ITAPAGIPE


Data de publicação: 24 de abr de 2019

Poder público, organizações e moradores das comunidades do Cabula e da Península de Itapagipe, em Salvador, reúnem-se em seminários que irão debater direitos humanos, nas próximas quinta e sexta feiras (25 e 26 de abril). As atividades terão como foco a incidência política comunitária nos eixos: direito à cidade, educação, saúde, moradia e cultura. As ações fazem parte do “Projeto Jovens mulheres refletindo saúde, direito e saberes” desenvolvido pelo Odara – Instituo da Mulher Negra e Fundo Baobá, em parceria com a Associação Cultural Odeart e o Centro de Arte e Meio Ambiente (CAMA), e com apoio da Caixa Econômica Federal.

Ao longo do projeto foram realizados debates e formação sobre fortalecimento territorial, tomando como base o plano de desenvolvimento local criado por organizações comunitárias da Península de Itapagipe. Os seminários – que encerram uma etapa do projeto – tem por objetivo realizar a mobilização destas comunidades para a elaboração e atualização de um plano de ação coletiva para assegurar os direitos à saúde, acesso à educação, à cultura, à moradia e fortalecimento local das redes comunitárias. O evento também acolherá denuncias de violação de direitos humanos e negligencias para efetivação das políticas públicas.

Apesar do intercâmbio de experiências entre as regiões, cada seminário debaterá as especificidades locais. A primeira rodada de debates acontecerá no bairro do Uruguai, na quinta-feira (25), das 13h às 17h, no Espaço Cultural Alagados. Já o segundo seminário, no Cabula, será na sexta-feira (26), das 9h às 17h, no Centro Cultural de Narandiba. Os dois seminários devem contar com público de aproximadamente 200 participantes, incluindo representantes do poder público, organizadores e apoiadores do projeto, além daCoordenadoria Ecumênica de Serviços (CESE), Organização Vida Brasil, e intervenção da juventude do Sarau da Onça.

Andrea Sena, da Associação Cultural Odeart, fala da Rede Cabula Vive!, articulação comunitária fruto do projeto. “Esta experiência foi um meio facilitador pra estabelecimento do diálogo entre as organizações da região, sobretudo, as que desenvolvem trabalhos sociais, culturais e educacionais, e o poder público, proporcionando um melhor conhecimento mútuo das nossas ações”, afirmou Sena.

 Já Raimundo Nascimento, do CAMA, ressaltou a importância da ação para fortalecer e ativar as organizações e coletivos dos territórios envolvidos no projeto. “A ação tem um papel fundamental na ativação das forças vivas dos territórios de Itapagipe e Cabula. Forças das organizações sociais, da sociedade civil e do setor produtivo dos dois territórios focadas na construção de um caminho de desenvolvimento territorial visando à melhoria da qualidade de vida das populações”, declarou Nascimento.

VELHAS LUTAS, NOVAS PRÁTICAS NO MOVIMENTO SOCIAL

É o tema do seminário no bairro do Uruguai, que será realizado na próxima quinta-feira (25), das 13h às 17h, no espaço Cultural Alagados.  A proposta é avaliar a caminhada da Rede CAMMPI – Comissão de Articulação, Mobilização dos Moradores da Península de Itapagipe, que há mais de 20 anos vem atuando para garantia dos direitos da população da Península de Itapagipe.

A atuação da Rede Cammpi, na agenda dos direitos à moradia, cidade, cultura e em defesa do meio ambiente, é uma referência no estado da Bahia e no Brasil. Foi a partir da articulação comunitária local que os moradores enfrentaram as palafitas, a falta de saneamento básico e a degradação total do meio ambiente em toda região. Com a criação do Plano Referencial de Desenvolvimento, a Cammpi apresentou para toda a cidade as  expectativas coletivas para assegurar vida digna para todos os moradores.

Após 25 anos de atuação, a Rede CAMMPI pretende avaliar sua caminhada no movimento social, para reforçar a incidência política comunitária. O seminário será apenas o inicio de um processo de escuta sobre novas experiências locais, nacionais e internacionais aplicadas no movimento social que possam ajudar a construir uma metodologia mais eficiente para o fortalecimento da luta e das comunidades da Península de Itapagipe. “Nossa idéia é organizar um espaço onde a comunidade e diversos atores e atrizes possam pensar sobre nossas trajetórias, o que fizemos até agora e os vários espaços de lutas comunitárias”, declarou Raimundo Nascimento, que também compõe a Rede CAMMPI.

 

SEMINÁRIO REDE CABULA VIVE! – CAMINHOS PARA FORTALECER O DESENVOLVIMENTO LOCAL

No dia seguinte, sexta-feira (26), é a vez do seminário no Cabula, que acontecerá no Centro Social Urbano (CSU) de Narandiba, das 9h às 17h. O 1º Seminário da Rede Cabula Vive, vai discutir  caminhos para fortalecer o desenvolvimento local e tem como objetivo levantar discussões e proposições acerca das principais problemáticas enfrentadas pelas comunidades e organizações sociais da região do Cabula.

A Rede Cabula Vive é composta por mais de 16 associações comunitárias da região do Cabula, e foi criada a partir de um método participativo, que aponta para um modelo de gestão compartilhada do território, em que a sociedade civil identifica, discute, planeja e aciona os atores sociais (poder público, organizações privadas, comunidades, organizações sociais) para a resolução de problemáticas de interesse público, bem como, apoiando as potencialidades já existentes no território.

Durante o seminário, a Rede Cabula Vive!, formada até então por organizações de sete bairros da região (Engomadeira, Arraial do Retiro, Arenoso, Beiru, Mata Escura, Estrada das Barreiras e Narandiba), apresentará um Plano de Desenvolvimento Sustentável para o Cabula. A região do Cabula enfrenta altos índices de violência contra a juventude negra, e em 2014, toda a região foi impactada com a chacina que matou 13 adolescentes e jovens, e ficou internacionalmente conhecida como Chacina do Cabula. Outras problemáticas constantes na comunidade é a falta de políticas de moradia, de limpeza urbana, de transporte e de creches para as crianças.

 

SERVIÇO:

O QUÊ: Seminário Velhas lutas, novas práticas no movimento social.

ONDE: Centro Cultural Alagados; QUANDO: 25 de abril, das 13 às 17h.

O QUÊ: Seminário Rede Cabula Vive – Caminhos para fortalecer o desenvolvimento local

ONDE: Centro Social Urbano de Narandiba; QUANDO: 26 de abril, das 9h às 17h

 

Contatos:

Naiara Leite – 71. 99718.5144

Raimundo Nascimento – 71. 98894.4649 (CAMA)

Tiago Zion – 98761.9835 (REDE Cabula Vive)

Comentários


    Tags relacionadas:
 

Instituto Odara © 2018 - Desenvolvido por Charles Ribeiro