Saiba mais sobre o Selo VALDECIR NASCIMENTO: POR UMA EPISTEME NEGRA E FEMINISTA



Publicado em: 15 de ago de 2019

O Selo em defesa da diversidade VALDECIR NASCIMENTO: POR UMA EPISTEME NEGRA E FEMINISTA representa o reconhecimento do trabalho feito por pesquisadores/as independentes,pela comunidade acadêmica- Docentes, Discentes graduandos e pós-graduandos -, empresas públicas e privadas,que têm a diversidade, a equidade e agenciamento epistêmico como basilares na sua produção de científica e no desenvolvimento cotidiano de novas concepções de gestão de pessoas e cultura organizacional para alcançarem a igualdade de raça,gênero e sexo em nossa sociedade. O Selo é uma certificação que atesta que a organização promove a igualdade no seu ambiente institucional, tendo cumprido mais de 70% das ações do plano.

O Selo em defesa da diversidade VALDECIR NASCIMENTO: POR UMA EPISTEME NEGRA E FEMINISTA deve funcionar como uma forma de seduzir e sensibilizar a comunidade acadêmica, sociedade, organismos de direitos humanos, financiadores de pesquisas e o público em geral. Esse selo funciona como uma fonte de publicização, na medida em que funciona também como uma ferramenta de divulgação e publicidade da produção científica, constando a prática política do/a pesquisador/a, da instituição, a forma de abordar os conhecimentos socialmente produzidos e quais os valores que estes prezam.

Ao obter esse Selo, esses solicitantes estarão assumindo o compromisso de desenvolver ações de enfrentamento e combate ao epistemicídio tanto na forma em que essas questões são tratadas em seus trabalhos de pesquisas e publicações – no caso de pesquisadores/as -, de fazer um censo etnicorracial, gênero e sexo, assim como desenvolver, promover e fomentar ações de enfrentamento ao racismo no âmbito da organização, apresentando propostas que serão analisadas por um Comitê Gestor formado para este fim, composto de organizações representativas da sociedade civil organizada e academia e empresas.

A adoção do SELO VALDECIR NASCIMENTO: POR UMA EPISTEME NEGRA E FEMINISTA por parte dos pesquisadores/as, comunidade acadêmica e empresas proporcionará ganhos, tanto do ponto de vista da responsabilidade com o enfrentamento ao racismo, sexismo, LGBTQI, epistemicídio e tantas outras formas de opressão, como com relação à perspectiva eurocêntricas. Isso porque, numa produção/ambiente de reconhecimento onde há políticas de promoção da diversidade, pesquisadores/as e as pessoas de um modo geral se sentem reconhecidas e valorizadas em suas especificidades, promovendo ainda uma melhor qualidade nos trabalhos produzidos.

A adoção de uma política de equidade aumenta as chances da descoberta de talentos, pois a pesquisa e as práticas serão capaz de identificá-los/as em diversos grupos, reunindo, assim, talentos diversificados, o que favorece a esta qualidade.

As inscrições para este ano serão abertas a partir de novembro diretamente no site do Odara Instituto da Mulher Negra.

Eventuais dúvidas sobre o Programa podem ser dirimidas através do Manual de Orientação do SELO VALDECIR NASCIMENTO: POR UMA EPISTEME NEGRA E FEMINISTA, a ser publicado durante este período.


Agenda do Julho das Pretas na Bahia conta com mais de 150 atividades



Publicado em: 11 de jul de 2019

 

Com o tema Mulheres Negras por Um Nordeste Livre, a 7ª edição do Julho das Pretas traz mais de 150 atividades durante todo o mês de julho em Salvador, Região Metropolitana e nos demais municípios do interior da Bahia. Articulado por ativistas e organizações de mulheres negras de toda região Nordeste do país, a ação de incidência política busca mobilizar milhares de pessoas da região, durante todo o mês de julho, através de uma agenda coletiva de atividades em celebração ao 25 de julho – dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra.

O tema do Julho das Pretas deste ano tem o objetivo de destacar a vanguarda da região nas lutas por liberdade, contra o racismo, o patriarcado, a democracia plurirracial e pelo Bem Viver. No dia 25 de julho acontece, em Salvador a Marcha das Mulheres Negras Por Uma Bahia Livre, a fim de ressaltar a importância da população negra da região Nordeste contra o fascismo e o retrocesso de direitos. Este ano é a 3ª Edição da Marcha do 25 de julho em Salvador, e 2ª Edição em Aracajú (SE). Todos os estados da região Nordeste promoverão atividades no dia.

“O Julho das Pretas em todas as suas edições teve como finalidade incidir na conjuntura política do país e apontar caminhos.  O tema deste ano vem para reafirmar a força política das mulheres negras na região Nordeste, bem como, nossas narrativas de luta por liberdade ao longo da história. Na região Nordeste temos vivenciado de maneira intensa o recrudescimento do racismo e com isso somos às maiores vítimas do feminicídio, da LBTfobia, da violência doméstica, da mortalidade materna, do extermínio da juventude negra. Quer dizer, só viveremos uma sociedade livre quando o modelo civilizatório tiver centrado no bem viver para todas nós”, aponta a coordenadora executiva do Odara – Instituto da Mulher Negra e da Articulação de Organização de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB), Valdecir Nascimento.

O Julho das Pretas é desenvolvido a partir de uma agenda conjunta e propositiva com movimentos de mulheres negras da Bahia, região Nordeste, e mais alguns estados do país. As atividades realizadas durante todo o mês reúne mulheres negras plurais bem como, pessoas comprometidas com a construção da equidade racial.

Confira agenda completa: agenda_julho_das_pretas_2019 (6)

SERVIÇO:

O QUÊ – 7ª Edição Julho das Pretas

ONDE – Bahia

QUANDO – Atividades durante o mês de julho


Odara em parceria com as escolas lançam agenda do Julho das Pretas



Publicado em: 11 de jul de 2019

A 7ª edição do Julho das Pretas na Bahia é marcada pela construção da primeira agenda do Julho das Pretas nas escolas da rede pública municipal, estadual e  privada. A primeira agenda do Julho das Pretas nas Escolas é fruto de uma ação conjunta entre o Odara – Instituto da Mulher Negra e professoras, gestoras, coordenadoras das escolas. Para esta edição foram organizadas várias atividades em alusão a luta das mulheres negras na sociedade em celebração ao 25 de Julho  – Dia da Mulher Negra Latinoamericana, Caribenha e da Diáspora. 

Entre as programações temos rodas de conversas, debates, palestras, mostras de filmes, entre outros que serão realizadas nas escolas durante todo o mês de julho e também em agosto. Trabalhar com o Julho das Pretas nas escolas da rede pública é fundamental para a formação de crianças, adolescentes e jovens negrxs, bem como, com a luta por uma educação antirracista, antisexista e comprometida com os direitos humanos e a cidadania.  

Confira: Agenda das Escolas no Julho das Pretas_2019


Saiu a Agenda da 7ª Edição do Julho das Pretas – Mulheres Negras Por Um Nordeste Livre!



Publicado em: 06 de jul de 2019

O Julho das Pretas é uma estratégia de incidência política desenvolvida a partir de uma agenda conjunta e propositiva com movimentos de mulheres negras da Bahia, região Nordeste, e mais alguns estados do país, voltada para o fortalecimento das organizações de mulheres negras. Idealizado em 2013, pelo Odara – Instituto da Mulher Negra, o Julho das Pretas celebra o 25 de Julho, Dia Internacional da Mulher Negra Afro Latina-americana e Caribenha, e o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra.

Este ano o Julho das Pretas terá como tema “Mulheres Negras Por Um Nordeste Livre”, demarcando a resistência histórica das mulheres negras da nossa região nas lutas por liberdade, igualdade e pela democracia. Somos o grupo humano brasileiro que mais disse não ao fascismo nas urnas em 2018. Somos a mão de obra que move o motor do desenvolvimento no Brasil. Somos a contribuição política intelectual que pensa e constrói a sociedade brasileira em toda sua história, e ainda assim somos constantemente apagadas, silenciadas, violadas, e por isso este ano toda região Nordeste grita por liberdade. Construímos os caminhos de liberdade contra o racismo, o sexismo, a violência policial, o feminicídio, o encarceramento em massa e as diversas formas de terrorismo do Estado.

Somos plurais como nossas frentes de luta, demarcadas nas atividades desta agenda. Atuamos por uma infância sem racismo, machismo e violência, por isso construindo atividades como aniversário de bonecas e bonecos, rodas de contação de história e gincana de conhecimentos. Atuamos por uma adolescência segura e com possibilidades de futuro, e por isso temos nesta agenda atividades sobre direitos sexuais e reprodutivos, sexualidade e família, e educação pública de qualidade. Apostamos na juventude, a faixa etária mais numerosa da população brasileira, por isso defendemos o acesso e a permanência nas Universidades, acesso a emprego, a arte e a cultura. Queremos dignidade e felicidade para todas nós, por isso acreditamos na importância das políticas sociais. E acima de tudo sabemos o caminho da construção de uma sociedade mais justa, em que a pluralidade que constitui o Brasil esteja representada – é o nosso manifesto 25 de Julho de 2019 na Marcha das Mulheres Negras, com a 3ª edição em Salvador, e com a 2ª edição em Aracajú. Seguimos em marcha pelo Bem Viver!


Confira agenda do Julho das Pretas 2019 da Rede de Mulheres Negras do Nordeste



Publicado em: 04 de jul de 2019

O Julho das Pretas de 2019 é marcado pelo lançamento da primeira agenda online  do Julho das Pretas da Rede de Mulheres Negras do Nordeste. A agenda foi construída em conjunto com as organizações que compõe a Rede. Este ano o Julho das Pretas tem como tema “Mulheres Negras Por Um Nordeste Livre”, demarcando a resistência histórica das mulheres negras da  região Nordeste nas lutas por liberdade, igualdade e pela democracia. As mulheres negras brasileiras disseram  não ao fascismo nas urnas em 2018. As mulheres negras tem uma ampla contribuição política intelectual que pensa e constrói a sociedade brasileira em toda sua história, e ainda assim são constantemente apagadas, silenciadas, violadas, e por isso este ano toda região Nordeste grita por liberdade. São gritos que reforçam os caminhos de liberdade contra o racismo, o sexismo, a violência policial, o feminicídio, o encarceramento em massa e as diversas formas de terrorismo do Estado.

A Rede de Mulheres Negras tem um papel fundamental na mobilização, articulação e incidência das mulheres negras desde a sua criação em 2012. Confira Agenda_RedeDeMulheresNegrasDoNordeste_JulhoDasPretas 


7ª Edição do Julho das Pretas – Mulheres Negras Por Um Nordeste Livre!



Publicado em: 01 de jul de 2019

O Julho das Pretas é uma estratégia de incidência política desenvolvida a partir de uma agenda conjunta e propositiva com movimentos de mulheres negras da Bahia, região Nordeste, e mais alguns estados do país, voltada para o fortalecimento das organizações de mulheres negras. Idealizado em 2013, pelo Odara – Instituto da Mulher Negra, o Julho das Pretas celebra o 25 de Julho, Dia Internacional da Mulher Negra Afro Latina-americana e Caribenha, e o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra.

Este ano o Julho das Pretas terá como tema “Mulheres Negras Por Um Nordeste Livre”, demarcando a resistência histórica das mulheres negras da nossa região nas lutas por liberdade, igualdade e pela democracia. Somos o grupo humano brasileiro que mais disse não ao fascismo nas urnas em 2018. Somos a mão de obra que move o motor do desenvolvimento no Brasil. Somos a contribuição política intelectual que pensa e constrói a sociedade brasileira em toda sua história, e ainda assim somos constantemente apagadas, silenciadas, violadas, e por isso este ano toda região Nordeste grita por liberdade. Construímos os caminhos de liberdade contra o racismo, o sexismo, a violência policial, o feminicídio, o encarceramento em massa e as diversas formas de terrorismo do Estado.

Somos plurais como nossas frentes de luta, demarcadas nas atividades desta agenda. Atuamos por uma infância sem racismo, machismo e violência, por isso construindo atividades como aniversário de bonecas e bonecos, rodas de contação de história e gincana de conhecimentos. Atuamos por uma adolescência segura e com possibilidades de futuro, e por isso temos nesta agenda atividades sobre direitos sexuais e reprodutivos, sexualidade e família, e educação pública de qualidade. Apostamos na juventude, a faixa etária mais numerosa da população brasileira, por isso defendemos o acesso e a permanência nas Universidades, acesso a emprego, a arte e a cultura. Queremos dignidade e felicidade para todas nós, por isso acreditamos na importância das políticas sociais. E acima de tudo sabemos o caminho da construção de uma sociedade mais justa, em que a pluralidade que constitui o Brasil esteja representada – é o nosso manifesto 25 de Julho de 2019 na Marcha das Mulheres Negras, com a 3ª edição em Salvador, e com a 2ª edição em Aracajú. Seguimos em marcha pelo Bem Viver!

 

Faça o dowload da agenda logo abaixo, e veja online aqui


Inscrições de atividades para agenda coletiva da 7ª edição do Julho das Pretas na Bahia



Publicado em: 05 de jun de 2019

 

Chegou a 7ª edição do Julho das Pretas! Este ano o tema será: Mulheres Negras por Um Nordeste Livre,  e o movimento de mulheres negras  pretende articular, mobilizar e organizar atividades em Salvador, Região Metropolitana e nos demais municípios do interior da Bahia durante todo o mês de Julho.

Quer que sua atividade faça parte da agenda da 7ª edição Julho das Pretas? Acessa nosso site e inscreva a atividade da sua organização, Universidade, escola, coletivo, articulação. No formulário coloque a data da atividade, o horário, o local (com endereço onde acontecerá a atividade) e o nome da organização, grupo realizador. Acesse o formulário, aqui.

 

 

 


“Quem tem voz no Brasil?”: Evento promove debate sobre educação e liderança no Brasil



Publicado em: 04 de jun de 2019

 

Promovido pela embaixadora da Região Nordeste da BrazilConference 2019, Aniele Berenguer (UFBA), ocorrerá no dia 11 de junho, terça-feira, das 14h às 20h, no Auditório do PAF 1 da Universidade Federal da Bahia (UFBA), campus Ondina, o evento “Quem tem voz no Brasil?”. A iniciativa buscará debater educação e liderança no contexto brasileiro numa perspectiva interseccional, refletindo sobre gênero, raça e classe. As inscrições poderão ser feitas gratuitamente a partir de quarta-feira, 05 de junho, na página doevento. As vagas são limitadas.

A proposta faz parte do Centro Regional BrazilConference– edição Salvador –, que tem por objetivo multiplicar os debates e discussões ocorridos durante a conferência,realizada em abril deste ano, na Universidade deHarvard e MIT (Massachusetts Instituteof Technology), nos Estados Unidos.Na edição da Região Nordeste, haverá dois painéis temáticose um bate papo, sobre educação e liderança, que contarão com cinco palestrantes convidadas.As atividades serãomediadas pelo grupo de influenciadoras digitais Nagonianas.

O primeiro painel, denominado “Educação para quem?”, debaterá o acesso ao espaço universitário, com a participação de Cássia Maciel, Pró-reitora de Ações Afirmativas e Assistência Estudantil da UFBA; de Deane de Jesus, estudante eidealizadora do projeto de extensãoComucidade – Formações e Práticas em Psicologia Comunitária Latinoamericana; e da Profa. Dra. Liliane Bittencourt, fundadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero, Raça e Saúde (NEGRAS).

Após o coffee break, ocorrerá o segundo painel, “Liderança para quê?”, que refletirá sobre a importância da liderança e seu impacto através dos cases de Gabi Oliveira,comunicadora social, youtuber(canal DePretas) e ativista, e Luana Genot,fundadora e diretora executiva do Instituto Identidades do Brasil(ID_BR), publicitária e escritora.

As vagas são limitadas e a inscrição é gratuita. O evento é aberto para estudantes, professores e membros da comunidade externa. Os interessados podem se inscrever através do formulário online, disponível na página do evento.

 

Evento: Quem tem voz no Brasil?

Quando: 11 de junho, das 14h às 20h.

Onde: Auditório do PAF 1, UFBA, campus Ondina.

Quanto: Gratuito, mediante inscrição online.

Instagram: @quemtemvozbrasil

Informações: quemtemvoznobrasil@gmail.com

Sobre a organizadora – Aniele Berenguer

 

Aniele Berenguer (22), estudante do quinto semestre do curso de Psicologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), foi selecionada para representar o Brasil em dois importantes eventos internacionais: o BrazilConferenceat Harvard & MIT, em abril, nos Estados Unidos, e o Girls 20, em maio, no Japão.

A BrazilConferenceat Harvard & MIT é uma conferência realizada pela comunidade brasileira de estudantes na Universidade Harvard e no Massachusetts Instituteof Technology, em Boston. Ela integrou um grupo de 10 estudantes do país, dois de cada região, selecionados para participar do evento, que aconteceuentre 5 a 7 de abril, nos Estados Unidos.

O Girls 20 Summit, é um importante evento de liderança para mulheres lançado em 2009 pela Iniciativa Global Clinton, que seleciona 20 jovens oriundas do G-20, abreviatura de Grupo dos 20, as 19 maiores economias nacionais do mundo e da União Europeia (UE). O evento ocorreu entre 24 e 31 de maio, em Tóquio, no Japão, onde debateu questões de gênero e as condições de vida das mulheres no mundo atual.

Com a promoção do debate “Quem tem voz no Brasil?”, a estudante pretende dar visibilidade a referências negras e ampliar os debates sobre racismo e machismo dentro do espaço universitário, replicando os conhecimentos e as experiências adquiridas com a sua participação nos eventos internacionais.


Estatuto da Igualdade Racial e Combate à Intolerância Religiosa é aprovado em Salvador



Publicado em: 30 de maio de 2019

Movimentos Negros e povo de axé comemora resultado.

Com muita  luta e articulação d@s parlamentares de esquerda da Câmara de Vereadores de Salvador foi aprovado nesta quarta-feira (29), o Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa. O projeto de lei tramitou durante 10 anos na casa legislativa, quando foi protocolado por Olivia Santana (PCdoB), atualmente deputada estadual. O estatuto seguirá para a sanção do prefeito ACM Neto que, por lei, tem o direito de fazer alterações, se julgar necessário.

Toda a discussão girava em torno da criação de um novo artigo que incluísse o termo “e outras religiões” após cada menção às de matriz africana no projeto.

A aprovação representa uma grande vitória para as religiões de matriz africana e para toda a população negra de Salvador.

Foto do card: Fafá Araujo


LISTA DE PARTICIPANTES APROVADAS PARA O CURSO “O legado de bell hooks para a ação política e reflexiva das mulheres negras”



Publicado em: 16 de maio de 2019

O curso acontecerá dia 23 de maio, 14h, na sede da CESE. O curso será ministrado pela professora doutora em comunicação Rosane Borges. Segue abaixo a lista de participantes:

 

Eveline Pena

Daniele Rocha

Ceres Santos

Luana de Oliveira

Indiara dos santos

Sandra Andrade

Marluce Santana

Margarida Maria Oliveira Conceição

Monyra

Deysi Cruz

Lola Silva

Daiane Feliciano

Natália Alcântara

Lara Carina Amorim

Camila Vieira

Juliana Alves

Andreza Santos

Mabel Freitas

Elaine Angélica

Leide Araújo

Ester

Carolina Barros

Izzadora Sá

Cíntia Lima

Suzana Maiara Costa

Rosa Meire C. de Oliveira

Kayanara Leeb

Edna Abadia

Jész Ipolito

Marina Amaral

Emanuele Celina

Lorena Lima

Djentilâme

Janja Araujo

Ed Muniz

Jamile Araujo

Elis Tanajura

Márcio Paim

Rosana Fernandes

Liana vieira

Tarde Jessica

Regiane Regis

Silvânia Cerqueira

SILENE

Giovanna Hemerly

Josinélia

Bruna Hercog

Jaqueline Portela

REJANE MATOS

Mirela Santiago

Dora Almeida

Hildete Damasceno Vergne

Daiane Sousa

Cândida Moraes

Taiana Lemos

Bruna Bastos