Programa de Comunicação

Atua com comunicação estratégica no intuito de difundir conceitos, visão política e estratégias do movimento de mulheres negras. Neste sentido, promove oficinas de formação com ênfase na comunicação crítica voltadas para lideranças negras, com objetivo de disseminar novas tecnologias e ferramentas de comunicação, que possam contribuir positivamente para a incidência política das organizações negras na Bahia e na região Nordeste. O programa tem construído suas estratégias para garantir o direito das jovens e mulheres negras à comunicação democrática, sem violência, sem racismo, sexismo e lesbofobia, garantindo assim sua autoestima e empoderamento.

Saiba mais sobre os projetos realizados pelo programa:


Sòrò

O Curso de Formação Sòrò – Mulheres Negras Disputando Narrativas e Fortalecendo a Comunicação aconteceu em 2020, e teve como objetivo fortalecer as organizações de mulheres negras e as organizações negras comprometidas com o combate ao racismo, sexismo e a LBTfobia.

Nos primeiros meses da pandemia da Covid-19 no Brasil, denunciamos que o direito à comunicação e a informação definiria a luta pelos direitos humanos e o direito à vida para a população negra. Diante da fragilidade do acesso a recursos técnicos e financeiros para Comunicação, em muitas organizações negras, de mulheres negras, comunitárias, rurais e periféricas, o Soró foi um investimento do Odara para fortalecer o campo do Movimento de Mulheres Negras neste contexto.


De Olho na Mídia

O Monitoramento De Olho na Mídia: Racismo, Sexismo e Violência no Jornalismo da Bahia foi uma ferramenta desenvolvida pelo Programa de Comunicação para analisar de que forma os jornais baianos tratam temas importantes e decisivos para a sociedade. Durante um trimestre, analisamos os dois jornais impressos de maior circulação na Bahia, Correio e A Tarde, mapeando notícias de interesse e identificando as disputas de poder colocadas através dos discursos.


Yalodês – Ampliando os Direitos de Negras Jovens com a  Comunicação

O projeto trabalhava com a formação de jovens negras em situação de abrigamento e da rede pública de ensino, a fim de capacitá-las para se apropriarem das novas linguagens e tecnologias de comunicação, possibilitando o acesso às informações e manipulação de instrumentos tecnológicos, para comunicar e difundir conteúdos relacionados à vivência da juventude e de mulheres negras. O projeto já formou cerca de 70 jovens.


Agência Yalodês (Negras Jovens Comunicadoras)

Foi  uma agência de comunicação que trabalhou com formatos diversos de mídia (web, impresso, fotografia, audiovisual, rádio) e tem como foco a produção de conteúdos jornalísticos que pautem jovens e comunidades negras negligenciadas pela mídia tradicional. A agência está em fase de incubação e é formada por 10 jovens multiplicadoras oriundas das turmas do projeto Yalodês. Para atuar e dar visibilidade a agenda das jovens negras, a agência criou seu primeiro piloto de programa, o “Ao Vivo com as Pretas”, transmitido ao vivo pelo Facebook.

Compartilhe nossa luta