Mulheres negras do Ceará e do Brasil lançam nota contra o Feminicídio e o Racismo Institucional

inegrace_feminicidio-755x781Por Miriam, por Gaia, por nós e pelo nosso povo:  Mulheres Negras contra o Feminicídio e o Racismo Institucional

Nós, mulheres negras do Ceará e do Brasil, militantes de diferentes movimentos sociais, manifestamos nossa profunda indignação com a violência praticada contra as mulheres. O assassinato brutal e covarde de Gaia Molinari em Jericoacoara, em 24/12, soma-se ao de mais 265 mulheres assassinadas no Ceará em 2014. Se comparado com os números de 2013, onde 214 mulheres foram assassinadas, a taxa de feminicídio cresceu cerca de 25%. Esse número coloca o Ceará no 6º lugar no ranking nacional. O crescente assassinato de mulheres denuncia nossa cultura sexista e a incapacidade do poder público estadual em adotar ações efetivas pelo fim do feminicídio e outras formas de violência contra as mulheres.

O crime contra Gaia gera comoção nacional e internacional, diferentemente das outras 265 mulheres assassinadas, pelo fato dela ser um estrangeira europeia. Isso pressiona a polícia civil e a justiça do Ceará a acelerar as investigações, identificar e punir os autores do crime. Na busca de fazer justiça pela morte de Gaia, o Estado comete uma injustiça contra a farmacêutica Mirian França de Melo, acusada e presa pela polícia do Ceará por suspeita de ter cometido tal crime. Embora existam 15 pessoas suspeitas, sem nenhuma prova ou razão legal, Mirian que é uma mulher negra, encontra-se desde o dia 26 de dezembro presa na Delegacia de Capturas/CE.

Essa atitude do Estado é parte de uma história muito conhecida pela população negra em geral e mulheres negras em particular: uma história de racismo e violência institucionais que atinge diretamente nosso povo. Desumanizados pela lógica racista que nos julga por nossa cor, as mulheres e os homens negros têm sido violentados e exterminados pela violência policial e jurídica que prejulga, condena, encarcera e nega o básico direito de defesa. Amontoada em cadeias e presídios a gente preta do Brasil do século XXI revivencia os velhos navios negreiros, sujeita aos chicotes, às doenças e à morte.

Tal como Miriam, também somos cotidianamente ultrajadas pelo discurso midiático racista e sensacionalista que transforma o nosso sofrimento em espetáculo: protagonista rejeitada dos programas e páginas policiais, o trato para a nossa gente é: “atira primeiro, que depois ninguém pergunta!”.

Não, nós mulheres negras não aceitamos caladas essa situação, denunciaremos e lutaremos sempre pela nossa liberdade e de nosso povo, pelo direito à defesa e contra violações. Por isso exigimos das autoridades públicas a imediata soltura de Mirian França de Melo, e que o sistema de justiça, faça jus a si próprio, refazendo-se de sua violência e racismo! Consideramos que uma justiça e uma polícia competentes e comprometidas com a segurança pública não pode, junto com a grande mídia, mascarar o fato de que, Jijoca de Jericoacoara é um lugar inseguro para as mulheres, onde em 2012, foi considerado o 32º município do Brasil a ter o maior número de casos de violência contra as mulheres (Centro de Atendimento à Mulher – Ligue 180).

De nossa parte somos solidárias com a família e amigos de Miriam e de Gaia e com todas as vítimas desse tipo de violência naturalizada, e mais do que nunca, estaremos vigilantes e atentas!

Fortaleza 09 de Janeiro de 2015

Assinam esta Nota:

1 – Instituto Negra do Ceará – INEGRA

2 – Fórum Cearense de Mulheres -FCM

3 – Tambores de Safo

4 – Grupo de Valorização Negra do Cariri – GRUNEC

5 – Conselho Municipal dos Direitos da Mulher Cratense – CMDMC

6 – Movimento de Mulheres em Luta – MML

7 – Central Sindical Popular – CONLUTAS

8 – Conselho Comunitário de Defesa Social do Crato – CCDS – Crato

9 – Frente de Mulheres dos Movimento Sociais do Cariri

10 – União da Juventude Comunista

11 – Pastorais Sociais do Regional Nordeste I

12 – Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras – AMNB

13 – Articulação de Mulheres Brasileiras – AMB

14 – Instituto Patrícia Galvão

15 – Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares – Ceará

16 – Bamidelê – Organização de Mulheres Negras na Paraíba

17 – UIALA MUKAJI Sociedade das Mulheres negras de Pernambuco

18 – Rede das Mulheres de Terreiro de Pernambuco

19 – GT Mulheres de Axé da RENAFRO Ceará

20 – Geledés – Instituto da Mulher Negra

21 – ACMUN – Associação Cultural de Mulheres Negras-RS

22 – Pretas Candangas – Coletivo de Mulheres Negras do Distrito Federal

23 – IMENA – Instituto de Mulheres Negras do Amapá

24 – MARIA MULHER – Organização de Mulheres Negras/RS

25 – CEDENPA – Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará

26 – Grupo de Mulheres Negras MALUNGA

27 – CRIOLA – RJ

28 – Rede Fulanas – Negras da Amazônia Brasileira

29 – Grupo Cactos, Gênero e Comunicação – PE

30 – Associação Franciscana de Defesa de Direitos

31 – UNEafro-Brasil

32 – Cecília Feitosa – Presidenta do PSOL Ceará

33 – Cícera Barbosa – Professora e Historiadora – Comitê Impulsor no Ceará da Marcha das Mulheres Negras – 2015

34 – Maria Ozaneide de Paula – Secretária das Mulheres da CUT

35 – Margarida Marques – Setorial de Negras e Negros do PSOL Ceará

36 – Marisa Sanematsu – Jornalista e editora da Agência Patrícia Galvão

37 – Luciana Araújo – Jornalista do Portal Compromisso e Atitude

38 – Francisco Nonato do Nascimento Filho – Militante independente do Movimento Negro Ceará

39 – Regiane Nigro – Militante independente da Economia Solidária – SP

40 – Sindicato dos Trabalhadores da UNICAMP – STU

41 – Instituto AMMA Psique e Negritude

42 – Tiago Neto da Silva – Estudante e militante da Articulação de Esquerda (PT)

43 – Rita de Cássia Hipólito – Socióloga e Professora de História e Sociologia de São Paulo

44 – Associação Cultural de Mulheres Negras – ACMUN – RS

45 – Mulheres Negras Capixabas – ES

46 – Coletivo Negrada – ES

47 – Mirt´s Sants – Militante do Movimento Negro e de Direitos Humanos

48 – Rede Rádio Mamaterra

49 – SOS Racismo Brasil

50 – OLPN/MNU De Lutas, Autônomo e Independentes

51 – Rede Afro LGBT Mineira

52 – Quilombo do Sacopã

Para assinar esta nota, envie mensagem ao email <[email protected]> contendo o nome da organização e estado. Pessoas físicas também podem assinar enviando mensagem com o nome completo, profissão ou instituição que representa.

Fonte: INEGRACE

 

Deixar uma resposta