Instituto Odara realiza formatura de duas turmas do Curso Profissionalizante Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar

O curso foi ofertado para mulheres negras das comunidades do Uruguai, Cabula e Nordeste de Amaralina, em Salvador (BA)

Redação Odara

Na manhã da última sexta-feira (4), aconteceu a formatura das duas turmas do segundo ciclo formativo do Curso Profissionalizante Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar. Cerca de 40 mulheres negras concluíram a formação em culinária oferecida pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) durante quatro meses. 

O curso é promovido pelo Odara – Instituto da Mulher Negra, através do Projeto Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar. A cerimônia aconteceu no Centro de Estudos dos Povos Afro-índio Americanos (Cepaia) da Universidade do Estado da Bahia, em Salvador.

Durante a cerimônia, Hildete Emanuele Nogueira, coordenadora do Minha Mãe Não Dorme, destacou a importância do curso para além da profissionalização, afirmando que também se constituiu um espaço de formação política entre as mulheres:

“A gente quer formar pessoas que pensem sobre a vida, sobre a sociedade, sobre a nossa realidade. Cozinha é lugar de coletividade, memória e ancestralidade. É um lugar afetivo”, afirmou Hildete.

Hildete Emanuele, coordenadora do projeto Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar | Foto: Jamile Novaes.

Quelen Costa, que integra a Coordenação Pedagógica do SENAC Aquidabã, elogiou as formandas pelo empenho durante todo o curso e reforçou a disponibilidade para contribuir também na inserção dessas mulheres no mercado de trabalho através do Banco de Oportunidades do SENAC. “Gratidão, contem conosco sempre. Vocês podem tudo”, enfatizou.

Andrea Sena, mobilizadora do projeto na comunidade do Cabula, lembrou do papel importante que as formandas desempenharam ao criar entre elas uma corrente de mobilização e apoio mútuo.

“Parabéns a todas vocês pelo incentivo que deram umas às outras. É muito gratificante ver o quanto esse projeto vem se expandindo e perceber que podemos chegar muito mais longe”, comemorou.

Turma de formandas do Curso Profissionalizante Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar | Foto: Jamile Novaes

Andréia Araújo, do Centro de Arte e Meio Ambiente (CAMA), falou sobre a posição da mulher negra no mercado de trabalho e aconselhou as formandas a colocarem em prática os conhecimentos adquiridos. “Nós estamos em último lugar entre as opções no mercado de trabalho, então esse curso é importante porque também nos ajuda a pensar sobre a questão de gênero e a equidade”, comentou ela.

Márcia Ministra, mobilizadora do Minha Mãe Não Dorme no Nordeste de Amaralina, deixou para as formandas a mensagem de que as mulheres negras devem insistir nos seus sonhos, apesar das dificuldades. “Enquanto mulheres pretas, periféricas e muitas que são mães, não podemos desistir dos nossos sonhos. Muitas aqui já trabalham ou pensam em trabalhar comercializando doces e salgados e é preciso acreditar que vocês podem sim seguir nesse caminho”, disse ela.

Turma de formandas do Curso Profissionalizante Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar | Foto: Jamile Novaes

O Curso Profissionalizante Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar tem apoio do fundo L’Oréal para Mulheres.

Sobre o projeto

O projeto Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar é organizado pelo Odara – Instituto da Mulher Negra em parceria com a Associação Artístico-Cultural Odeart e o Grupo Mulheres em Luta, organizações localizadas, respectivamente, nas comunidades do Cabula e Nordeste de Amaralina, em Salvador-BA.

Desde 2015 o projeto atua no fortalecimento e promoção da organização política de mulheres mães e familiares de vítimas do Estado, com apoio jurídico, realização de audiências públicas que pautam o extermínio da juventude negra e atividades diversas que visam a autonomia e o autocuidado dessas mulheres.

Assine o Boletim Odara:



Compartilhe:

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.