SOU MULHER DE CANDOMBLÉ – SOU POVO DE SANTO!

Por: Diosmar Filho

Geógrafo

 

Foto filme (1)   Nas narrativas da Yalorisá Raidalva Silva Souza dos Santos (Mãe Raidalva), vão se conhecendo o significado do ser Mulher Negra do Candomblé. A líder religiosa do Terreiro Ylê Asé Oyá Tolá, no distrito de Passagem dos Teixeiras – Candeias-Ba, é a homenageada do documentário IGI OBA NILE “Memórias de Mãe Raidalva” uma realização da YLÊ AYÓ e a N5 Filmes, com direção de Chico Soares e Diosmar Filho.

O documentário lançado em 2014, iniciou-se em 2009, pela comunidade do Ilê Asé Oyá Tolá, que promoveu a celebração dos sessenta anos de iniciação de Mãe Raidalva, filha de Obalúayé e Oyá. Com carinho e respeito, filhas e filhos partilham com a sociedade baiana e brasileira os laços de união e fraternidade com a religiosa. Reforçando todo o ensinamento de Obalúayé, que ao oferecer anualmente o seu banquete “o Olubagé” proporciona um momento de muita paz, cobrindo com sua palha todas/os que estão em seu Égbé.

O projeto do documentário foi financiado pelo Fundo de Cultura do Estado da Bahia – Edital 12/2012, sob a coordenação do Centro de Culturas Populares Identitárias (CCPI-SECULT), com a produção da N5 Filmes.

No poema Porque Mãe Raidalva gosta de Sol, José Limeira a homenageou com a frase “À dona do certo, do cuidado menino, Mãe Raidalva!”. Em junho, no Espaço Itaú de Cinema – Glauber Rocha, na praça de outro poeta, autor de “Navio Negreiro”, se encontraram os treze raios e os ventos, o passado e o presente estavam juntos em cores, paisagens, cheiro, brilho e perfume que tomaram filhas/os, netas/os, amigas/os e irmãs/os, pessoas que tiveram a honra de se encontrar com o mundo comum e tão diferente na tela, em sessão de lançamento.

O documentário se traduz em cores e cheiro pelas fotografias de Chico Soares da comunidade de Passagem dos Teixeiras e dos cantos e recantos do Terreiro.  O texto narrativo traz memórias de encontros duradouros e perenes, vividos pela Iyá e pessoas que nos últimos sessenta e quatros anos estiveram ao lado da filha do Engenho de Brotas – Salvador, uma das grandes líderes religiosas contemporânea, solidária às lutas pelos direitos das mulheres e do povo de santo.

As paisagens e narrativas juntam-se a trilha sonora de Maurício Lourenço, em sons de corda e atabaques, faz o convite para que entrem numa grande roda no barracão e dialoguem com as memórias da luta, pelo que se viu e sentiu e foi abraçada, beijada, amada e educada por Mãe Raidalva.

Na I Mostra de Cinema Negro (novembro/2014), o documentário foi da tela ao presente no encontro de Mãe Raildava e a educadora Ana Célia Conceição, a mesma a felicitou pelo sucesso na caminhada e pelo bem estar que o filme traz a todas as pessoas que estão na luta por direitos.

Assim, o documentário IGI OBA NILE “Memórias de Mãe Raidalva”, em 2015, estreia no dia 29 de janeiro e fica até o dia 03 de fevereiro, na Sala Walter da Silveira (Biblioteca Pública nos Barris-Salvador), e concorre como documentário longa-metragem na   3º Festival de Cinema Brasileiro da Baixada Fluminense (VER CINE 2015) e está inscrito no 4º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba.

Mais o principal objetivo dessa obra será alcançar as salas de aula e rodas de debates com crianças, jovens e adultos, como instrumento na luta contra o racismo e a intolerância religiosa. Sua magia e beleza se realiza no dialogo entre diferentes. O que reforça as ideias de Mãe Raidalda que defende o respeito à diferença na condição de princípio para a humanidade.

Informações sobre o documentário: [email protected] e G+.

 

Deixar uma resposta