Câmara de Vereadores de Salvador sedia sessão especial sobre violência e genocídio da população negra na Bahia

Audiência contará com a presença de ativistas e representantes de organizações políticas que atuam no combate ao racismo e em defesa dos direitos humanos

Por Jamile Novaes e Jéssica Almeida / Redação Odara

O Odara – Instituto da Mulher Negra e a mandata Coletiva de Vereadoras Pretas por Salvador realizam, na  próxima quarta-feira (17), a Sessão Especial Pela Vida do Povo Negro na Bahia. A audiência acontece na Câmara de Vereadores de Salvador, das 10h às 12h, em formato semi-presencial, com capacidade de até 50 pessoas no local e transmissão ao vivo no Facebook, Instagram e Youtube do Instituto Odara.

A sessão acontece em resposta aos altos índices de violências, feminicídios e letalidade policial praticados contra pessoas negras no estado da Bahia. “Os homens negros e mulheres negras estão sob total ameaça e nós não podemos silenciar, por isso estamos convocando essa audiência pública. Faremos outras convocações e mobilizaremos estratégias de enfrentamento a tanta violência contra a população negra”, explica Valdecir Nascimento, ativista do Odara.

A ação conjunta é articulada por meio do projeto “Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar” – que há 6 anos é desenvolvido pelo Instituto Odara, em parceria com o Centro de Arte e Meio Ambiente (CAMA), a Associação Artístico Cultural Odeart e o Grupo de Mulheres na Luta, em três comunidades da Periferia de Salvador (Nordeste de Amaralina, Cabula e Península de Itapagipe). O projeto estimula a organização política e promove processos de cuidado coletivo com mulheres mães e familiares de vítimas do Estado.

Naiara Leite, coordenadora executiva do Instituto Odara, fala da importância de mulheres negras parlamentares comprometidas com os Direitos Humanos, para realização de ações conjuntas em defesa da vida das pessoas negras. “É urgente que os espaços oficiais de decisão de Salvador e da Bahia tratem das questões da violência sistêmica contra pessoas negras. E percebemos que essas pautas só ganham espaço quando nós, mulheres negras, pautamos”.

Como provocadoras da sessão, estarão presentes Laina Crisóstomo, Cleide Coutinho e Gleide Davis (co-vereadoras da mandata Pretas por Salvador); Márcia Ministra, articuladora do Instituto Odara; Janine Souza, advogada, Copresidenta da Tamo Juntas e  Membra da Comissão Especial de Promoção a Igualdade Racial da OAB Bahia; Eliana de Jesus e Cláudia Gomes, integrantes do projeto “Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar”; Jeovane Marusia Fernandes, da Rede de Mulheres Negras da Bahia – idealizadoras da campanha “Parem de Nos Matar!”; Marlon Reis, advogado que moveu a ação civil pública contra o grupo Carrefour pela prática de racismo estrutural.

Estatísticas

Dados da Rede de Observatórios da Segurança mostraram que 96,9% das pessoas assassinadas pela Polícia Militar na Bahia, em 2019, eram negras. Em 2020, das 1.137 pessoas assassinadas pela polícia na Bahia, todas eram homens negros, segundo o  Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Em 2021, houve um aumento de 37,5% no número de chacinas durante os cinco primeiros meses do ano. Mulheres negras também estão mais expostas ao contexto de violência e morte no estado: em 2019, representaram 92% das vítimas de feminicídio na Bahia, segundo o Atlas da Violência 2020, publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

O QUÊ: Sessão Especial Pela Vida do Povo Negro na Bahia

ONDE: Câmara de Vereadores de Salvador (limitado a 50 pessoas), com transmissão ao vivo no Facebook, Instagram e Youtube do Instituto Odara.

QUANDO: 17 de novembro das 10:00h às 12:00h.

Deixar uma resposta