Primeiro encontro presencial do projeto Ayomide Odara marca o retorno das atividades de 2022

Compartilhe:

É a primeira vez que as turmas terão aulas presenciais desde que o projeto foi iniciado

Redação Odara

Meninas e jovens negras integrantes do projeto Ayomide Odara tiveram o seu primeiro encontro presencial de 2022. A reunião aconteceu no Odara – Instituto da Mulher Negra durante a manhã do último sábado (12). Na ocasião, a equipe coordenadora do Ayomide, conversou sobre os planos de incidência política para o segundo ano do projeto.

A atividade de boas vindas iniciou com um café da manhã feito para receber as 40 meninas, acompanhadas de suas mães, pais ou responsáveis. Será a primeira experiência de aulas presenciais, desde o início do projeto, em Dezembro de 2020.

O Ayomide Odara oferece oficinas formativas centradas nos eixos da comunicação, direitos humanos, questões raciais e de gênero para meninas e adolescentes negras de 9 a 18 anos. Mesmo com algumas dificuldades, sobretudo relacionadas ao formato virtual das oficinas e incompatibilidade de horários, mais de 80 meninas concluíram o primeiro ciclo do projeto em 2021.

Em 2022, o projeto manteve parte das turmas já existentes e recebeu cerca de 120 novas meninas entre 9 e 18 anos, que foram distribuídas entre as turmas online e presencial. Algumas delas chegaram ao Ayomide por meio do Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar, outro projeto criado pelo Instituto Odara, que desenvolve atividades com mulheres mães e familiares de vítimas da violência do Estado nos bairros do Nordeste de Amaralina, Uruguai e Cabula 

Para Beatriz Sousa, Educomunicadora e articuladora jovem do projeto, o primeiro encontro presencial foi também um momento para avaliar tudo o que tem sido feito e alimentar as expectativas para o novo ciclo que se inicia:

“O encontro foi a visualização de todo trabalho que tivemos no ano passado, a forma como fomos abraçadas pelas mães, responsáveis e pelas Ayomides é a forma mais clara de comprovar o sucesso do primeiro ano do projeto. Pra mim, sábado foi um gás extra pra esse ano. São 40 meninas negras vivas, conduzindo suas vidas e sonhos, isso é lindo”, comemorou.

Beatriz Sousa / Foto: arquivo pessoal

Érika Francisca, Coordenadora do Ayomide Odara, também avalia o encontro de forma positiva:

“Estar em pleno sábado, dia das Yabás, reencontrando as Ayos foi prazeroso, esperançoso e energeticamente forte. Estar presencialmente, pensando, chorando, rindo e sonhando com elas sobre os futuros passos delas no mundo e no Projeto Ayomide Odara nos fortalece e nos faz acreditar no futuro próspero e próximo ao experimentar vivências baseadas no bem viver”, enfatizou.

Érika Francisca durante encontro presencial do Ayomide Odara / Foto: Beatriz Sousa

As aulas presenciais acontecem todos os sábados às 9h, na sede do Instituto Odara. Além da expectativa de ampliar a formação e a incidência política das meninas, o projeto também oferecerá aulas de espanhol para as turmas de 2022.

Assine o Boletim Odara:



Compartilhe:

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.